“Navegar é Preciso – Na Rota dos 200 anos” traz um panorama atual da Bacia Hidrográfica do rio, com foco no Baixo São Francisco alagoano

Texto de Renata Arruda

Resultado da expedição organizada pelo Governo de Alagoas, em 2017, para celebrar o bicentenário alagoano, o jornalista Mário Lima e o cineasta Charles Northrup irão lançar, nesta sexta-feira (27), às 18h, na residência Oficial do Museu Palácio Floriano Peixoto, o livro e o documentário “Navegar é Preciso – Na Rota dos 200 anos”.

O projeto “Na Rota dos 200 Anos” foi elaborado pelo governador Renan Filho no ano passado e levou autoridades e membros da sociedade civil a acompanhar uma viagem a bordo de catamarãs pelo rio São Francisco, um dos mais importantes do Nordeste e do Brasil. Com início em Piranhas, a expedição fez paradas em Pão de Açúcar, Traipu, Porto Real do Colégio e Penedo.

De acordo com o jornalista Mário Lima, o livro mostra a atual realidade da Bacia Hidrográfica do rio, com foco no Baixo São Francisco alagoano, a partir de uma série de reportagens, pesquisas e entrevistas realizadas durante a expedição.

“Neste primeiro livro, além de contar com o diário de bordo do governador Renan Filho, ao longo das cidades ribeirinhas, de Piranhas a Penedo, o livro traz um brado alerta sobre a atual situação do rio São Francisco, e seu atuais problemas (controle de vazão da água, falta de chuvas, degradação das águas e das terras, navegabilidade, abastecimento, salinização das águas e saneamento básicos), e a busca de soluções pelos Estados que integram a bacia e por instituições públicas e privadas que discutem as saídas. As grandes vozes em defesa do Velho Chico também estão presentes”, afirmou Lima.

Ainda segundo o jornalista, dos negros de Palmares comandados por Zumbi, na Serra da Barriga; até Porto Calvo, no Norte, com o surgimento dos engenhos de açúcar e a escravidão negra e índia; as guerras luso-flamengas, a luta e a morte do herói Calabar; a terra dos marechais que fundaram a República brasileira, na antiga província Alagoa do Sul, hoje Marechal Deodoro; e Maceió, a capital das Alagoas, com sua história e reflexões sobre seu passado, presente e futuro também serão temas abordados em mais outros quatros livros que serão lançados.

Para o cineasta Charles Northrup, por meio do documentário, serão contadas histórias pelos ribeirinhos, seus conflitos, reivindicações e a relação umbilical e poética com o Velho Chico. Além disso, o levantamento feito durante a expedição e mostrado no filme é também um pedido de socorro. “Através de pesquisas ao longo dos últimos dez anos e dos relatos dos próprios ribeirinhos, concluí que uma das grandes missões desse projeto é mostrar que o rio São Francisco precisa ser revitalizado, pois a população clama por água”, ressaltou.