Editora oficial do Estado de Alagoas é uma das representantes nordestinas no evento organizado pela Associação Brasileira dos Designers Gráficos

Texto de Myllena Diniz

 O braço social da Imprensa Oficial Graciliano Ramos, a editora do Estado de Alagoas, teve dois projetos selecionados para a 13ª Bienal Brasileira de Design Gráfico, a ser realizada de 29 de novembro a 16 de dezembro, em Curitiba (PR). O evento existe há 27 anos e é organizado pela Associação dos Designers Gráficos do Brasil (ADGBrasil), com o intuito de reunir, registrar e divulgar destaques significativos do segmento no País.

Considerada a mais antiga e importante mostra de design gráfico do Brasil, a Bienal deste ano busca aderência às questões da diversidade e da representatividade nacional, com foco no conceito “multidão”. A partir dessa ideia, a curadoria do evento volta suas atenções a projetos que expressam múltiplas vozes, representadas na identidade do evento sob diferentes aspectos – hibridismo, mestiçagem, sobreposição de camadas, bem como formas e multiplicação de cores.

Para esta edição, foram inscritos cerca de 1300 trabalhos, em mais de 50 categorias, nos âmbitos de Identidade & BrandingImpressos Editoriais e PromocionaisEmbalagensTipografiasProjetos Especiais e Digitais.  Os projetos foram analisados por um júri com 90 especialistas, todos brasileiros, de diversos segmentos do Design, da Comunicação e de outras áreas afins.

O Estado de Alagoas entrou no jogo, por meio da Imprensa Oficial Graciliano Ramos e emplacou em duas categorias – Projeto Gráfico de Livro de Ficção e Não Ficção e Capas de Livros. “A seleção para o catálogo da Bienal Brasileira de Design Gráfico confirma a qualidade da nossa produção. É importante mencionar que, disputando com alguns dos maiores nomes do Design editorial do Brasil, conseguimos classificar 100% dos trabalhos que submetemos. Estamos muito felizes”, destacou o diretor de arte da Graciliano Ramos, Fernando Rizzotto.

Projetos selecionados

O conjunto de livros do Edital Para Publicação de Obras Literárias 2018, assinado pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, foi selecionado na categoria Projeto Gráfico de Livro de Ficção e Não-Ficção. As onze obras foram lançadas no final do ano passado, em evento aberto ao público, e são frutos de uma política crescente de incentivo à produção literária de autores alagoanos.

Já os livros do Edital Para Publicação de Obras Literárias 2017, foram selecionados na categoria Capas de Livro. Os doze títulos foram lançados durante a 8ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas, no Centro de Convenções. Nessa categoria, dos 41 trabalhos selecionados, o projeto alagoano foi o único representante nordestino. Os demais projetos são dos estados de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

Os dois projetos são de autoria do designer gráfico Roger Ferraz e contaram com a supervisão do diretor de arte Fernando Rizzotto e da coordenadora editorial Patrycia Monteiro, além da colaboração de Giuliano Porto, como revisor. Todos os livros foram bancados pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, por meio de edital público, e impressos em seu próprio parque gráfico. Os dois editais, somados, publicaram mais de 20 autores, a maior parte deles pela primeira vez.

Para Roger Ferraz, os projetos selecionados são plurais e atestam a relevância do Design Gráfico na indústria criativa, assim como propõe a Bienal. “Os trabalhos nasceram a partir de editais literários. Eles representam toda a diversidade e a vivacidade da produção literária alagoana. E essa é uma das principais características impressas em nosso projeto gráfico”, explicou.

Já o diretor-presidente da Imprensa Oficial, Dagoberto Omena, ressaltou o compromisso com produção de obras relevantes dentro de uma política de editais para a publicação de livros. “Os dois projetos são oriundos de editais de publicação que ofertamos anualmente, sem custo algum para os escritores. Isso mostra que Alagoas já é um exemplo de gestão pública de qualidade, sendo capaz produzir um conteúdo de excelência e competitivo, com posição de destaque no cenário mercadológico nacional”, enfatizou o diretor-presidente da Imprensa Oficial Graciliano Ramos, Dagoberto Omena.

Esses projetos, assim como todos os demais presentes na shortlist da Bienal aparecerão em catálogo impresso, produzido pela associação organizadora. Desde a primeira edição da Bienal, os catálogos são confeccionados com o intuito de registrarem e mapearem a produção brasileira de design gráfico ao longo do tempo.

Dentre os trabalhos selecionados, o júri irá escolher 50 destaques, para participação da mostra física da Bienal, que acontecerá entre os dias 29 de novembro e 16 de dezembro de 2019, em Curitiba (PR).

A Bienal Brasileira de Designers Gráficos

A Bienal Brasileira de Design Gráfico é o momento em que o Design Gráfico Brasileiro reflete suas conquistas, discute seus rumos e traça seus planos, propondo um intenso diálogo com a inovação, o empreendedorismo, a cultura, o desenvolvimento econômico, a sustentabilidade e a sociedade. É quando a categoria reconhece seus avanços, homenageia seu passado, expande suas fronteiras e estimula seu futuro.

A Bienal tem sido, desde sua primeira edição em 1992, a grande celebração do Design Gráfico Brasileiro. É o mais tradicional ponto de encontro de todos os integrantes – profissionais, clientes, fornecedores, estudiosos, educadores e estudantes – deste imenso segmento da indústria criativa. Em suas doze edições, a Bienal reuniu, registrou e expôs cerca de 3.300 projetos de design para um público, calculado em aproximadamente 300 mil pessoas, de 50 países.